Economia

Novo pólo de exploração de minérios vai transformar a Bahia no segundo maior produtor de ferro do Brasil

O geólogo João Carlos Cavalcanti apresentou nessa segunda-feira (10/06), no auditório da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), o projeto que visa a exploração de uma nova província mineral na Bahia com reservas de minério de ferro, manganês, cobre, zinco, lítio, bauxita, grafeno e fosfato, entre outros minerais. JC Cavalcanti, que realizou pesquisas durante mais de uma década, revelou que as reservas são maiores que as de Carajás, no Pará.

De acordo com o geólogo, a Província Mineral do Vale do Paramirim se estende por cerca de 12 mil km² nas regiões sudoeste e oeste da Bahia e está concentrada em mais de 32 municípios, como Caetité, Brumado, Paramirim, Igaporã, Ibipitanga, Macaúbas, Lagoa Real, Matina, Riacho de Santana, Dom Basílio e Tanque Novo, entre outros.

JC acredita que com a implantação de projeto existe a situação concreta de colocar a Bahia no mercado internacional, com condições de transformar o Vale do Paramirim em um grande exportador de minério de ferro, de zinco, lítio, grafeno e fosfato. De acordo com o geólogo, o projeto irá gerar de 12 a 14 mil empregos diretos, quando estiver em pleno desenvolvimento. E no setor de mineração, segundo ele, cada emprego direto gera outros 13 indiretos.

Estão sendo prospectados investimentos totais da ordem de U$ 2 a 4 bilhões. “Estamos fazendo contatos internacionais e já conseguimos a adesão dos quatro maiores grupos de siderurgia do mundo que manifestaram interesse em trabalhar com o projeto”, afirmou JC, que estimou sua duração plena em mais de dez anos entre investimentos, prospecção e pesquisa.

O vice-governador João Leão reforçou a intenção do governo do estado em não medir esforços para alavancar o setor na Bahia, que implica também no desenvolvimento do Porto Sul e da Fiol. “Sem dúvida, o Porto Sul será o catalizador da retomada do desenvolvimento do Sul da Bahia”, assegurou.

Para o presidente da CBPM, Antonio Carlos Marcial Tramm, é necessário “determinar o papel que a Bahia tem nessa história, pois juntas, as reservas da Bamin e as da província de Paramirim, tem condições de colocar o Estado como o segundo maior produtor de ferro do Brasil”. Tramm destacou a importância de o Estado aproveitar iniciativas dessa natureza “porque mineração não é só a riqueza da empresa, do minerador, representa também o progresso e o desenvolvimento em regiões que precisam de emprego e renda”.

Segundo ele, a maior parte das reservas minerais da Bahia, algo em torno de 70 por cento, estão no semiárido, que é uma região pobre e carente de investimentos. “Essa parceria vai servir para levar mais para frente o potencial do minério do Estado. O que nos interessa é que a Bahia cresça. Esse é o nosso foco”, pontuou.

De acordo com as geólogas Graciane da Silva e Alane Cordara, que compõem a equipe técnica do projeto, o potencial de extração de ferro ao longo da vida útil da mina deve chegar à casa de 1,5 bilhão de toneladas. E, o que é melhor, sem a necessidade de implantação das tão famigeradas barragens de rejeito, que tantos problemas ambientais têm criado no país nos últimos anos.

Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: