Vacinação COVID 19

União Química, única fabricante no país da vacina Sputnik começa a produção no Brasil

Embora ainda não tenha obtido a aprovação da ANVISA, a farmacêutica brasileira União Química, única fabricante no país do russo Sputnik V contra a Covid-19, já está produzindo doses, afirmou Kirill Dmitriev, o chefe do Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) na quinta-feira, 21 de janeiro.

O executivo russo disse que a produção brasileira da vacina aumentará em fevereiro e que espera que a aprovação do Sputnik V no Brasil seja resolvida nas próximas semanas. De acordo com funcionários da empresa, o Sputnik V é a única vacina Covid-19 usada no mundo atualmente que usa dois tipos diferentes de adenovírus humano como vetores virais, um em cada uma das duas doses previstas.

Na quinta-feira, executivos da União Química se reuniram com a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para discutir o assunto. Embora em nota divulgada após a reunião a ANVISA tenha declarado que a União Química ainda não havia solicitado a autorização emergencial, Rosso disse que o pedido foi feito em dezembro.

A agência reguladora posteriormente revisou sua declaração. “Durante a reunião, representantes da União Química apresentaram informações e afirmaram ter interesse em cumprir todas as etapas regulatórias exigidas pela Anvisa para o avanço dos estudos clínicos no Brasil e da autorização para uso emergencial”, diz nota do regulador. Segundo a agência, novos documentos devem ser apresentados em breve.

Uma nova reunião técnica foi provisoriamente marcada para sexta-feira, de acordo com Rosso. No último sábado, funcionários da Anvisa disseram que não havia informações suficientes da empresa para justificar uma autorização emergencial.Mesmo assim, o governo baiano entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo autorização para compra autônoma e aplicação de até 50 milhões de doses do Sputnik V.

Diretores da União Química disseram à imprensa que a ação do governo baiano é “independente” e distinta da farmacêutica. Com capital 100% nacional e complexo industrial de biotecnologia nos Estados Unidos, o grupo União Química está entre as maiores e mais sólidas empresas da indústria farmacêutica brasileira. A empresa fundada em 1936 com o nome de Laboratório Prata foi adquirida em 1970 por João Marques de Paulo, que criou a União Química, que faturou cerca de R $ 2,7 milhões em 2020 e emprega 6.349 pessoas.

A empresa oferece medicamentos como o anticoncepcional Ciclo 21, com produção de 5,5 milhões de caixas por mês, ou ainda a solução lacrifilm de lágrima artificial. Está estruturado em cinco unidades de negócio: Agener (mascotes, animais de produção e reprodução), farmacêutica (genéricos, similares e OTCs), genom (receita médica), hospitalar e outsourcing, sendo desde a década de 1980 presidido por Fernando de Castro Marques , que explicou os detalhes sobre seu interesse no Sputnik V.

A empresa fabrica medicamentos para aproximadamente 30 especialidades médicas, incluindo anestesiologia, oftalmologia, psiquiatria, ortopedia e neurologia. Ao todo, o grupo produz 31 milhões de unidades / mês e investiu mais de R $ 100 milhões em pesquisa e desenvolvimento em 2020. Está entre as oito maiores empresas do mercado farmacêutico brasileiro com oito fábricas, duas fábricas de biotecnologia, sendo uma no estado da Geórgia, nos Estados Unidos.

Segundo fontes, antes da pandemia a empresa brasileira buscava relações comerciais com os governos chinês e russo, devido à sua divisão de animais. “Em 2019, viajei para dezenas de países negociando nossos produtos da divisão animal. Depois veio a Covid19 ”, explica Rosso. 

O diretor diz que o foco da empresa mudou rapidamente da divisão animal para a divisão farmacêutica. Em agosto de 2020, a farmacêutica assinou um contrato de transferência de tecnologia com a RDIF e o Instituto de Pesquisa em Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, responsável pelo desenvolvimento da vacina russa.

De acordo com o diretor de negócios internacionais, o Sputnik V foi desenvolvido pelo renomado Instituto Gamaleya, administrado pelo governo russo. “(Tem) mais de 130 anos de história no desenvolvimento de medicamentos e vacinas”, disse Russo em entrevista ao jornal Correio Brasiliense na quinta-feira. Técnicos brasileiros estiveram em Gamaleya em setembro para um treinamento de 12 dias, e a União Química está trabalhando na preparação de sua unidade de biotecnologia em Brasília, chamada Bthek, para receber a tecnologia de produção do ingrediente ativo da vacina IFA.

Na semana passada, executivos da empresa estiveram novamente na Rússia para esclarecer questões regulatórias que serão repassadas à ANVISA. O executivo da União Química disse que o Sputnik V tem eficácia comprovada de 91,4%, com duas doses em um intervalo de 21 dias. “A fabricação do IFA no Brasil garante ao país mais soberania; nos tornaremos menos dependentes de matérias-primas estrangeiras e menos dependentes da ‘boa vontade’ de empresas e governos estrangeiros ”, conclui Rosso. Segundo o porta-voz da RDIF, além do Brasil, outros países como China, Índia e Coréia do Sul também produzirão doses fora da Rússia.

Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: