Política

Poder Legislativo debate em Audiência Pública o Novembro Negro, todas as vozes contra o racismo

As marchas e caminhadas organizadas pelos movimentos sociais durante este mês em Salvador, a necessidade de um diálogo cada vez maior com a sociedade e a campanha de combate ao racismo estrutural e institucional dominaram os trabalhos da audiência pública “Novembro Negro: Todas as Vozes Contra o Racismo”. O evento, promovido pela Comissão Especial da Promoção da Igualdade da Assembleia Legislativa, em parceria com a Secretaria Estadual da Promoção da Igualdade (Sepromi), reuniu, no Auditório Jornalista Jorge Calmon, parlamentares, autoridades, lideranças de entidades negras e representantes do povo de matriz africana.
 
“Não basta ter na gaveta a lei contra o racismo. Ela precisa ser internalizada por toda a sociedade e também pelas esferas governamentais. Com políticas públicas de transformação, podemos desenvolver a cultura da paz”, assim pensa a presidente do colegiado, deputada Fátima Nunes. A petista lembrou da luta de Dandara, Zumbi dos Palmares e de tantos outros mártires que se rebelaram em prol da “construção de um mundo melhor para o povo negro”. Ela afirmou que a audiência tem a marca da dignidade, do combate ao racismo e de qualquer tipo de intolerância e discriminação racial. Segundo a deputada, “é só olhar para as estatísticas das taxas de homicídios e analfabetismo, com relação aos negros, que fica evidente o tamanho das desigualdades sociais”, completou.
 
A titular da Sepromi, Fabya Reis, conclamou toda a sociedade e as instituições para que se envolvam nesta campanha “levantando a sua voz para combater o racismo”. Ao mesmo tempo, acrescenta Fabya, é importante que aquelas pessoas que insistem na conduta do crime de racismo sejam responsabilizadas. A Lei Caó, que está completando 30 anos, torna o crime de racismo inafiançável e imprescritível. Sancionada pelo então presidente da República José Sarney, foi proposta pelo baiano Carlos Alberto Oliveira, eleito deputado federal pelo Rio de Janeiro. A gestora da Secretaria Estadual da Promoção da Igualdade observa que em um estado como a Bahia, que tem 82% da população de negros e negras, “precisamos ter a capacidade de promover a igualdade racial e marcar presença em todos os espaços possíveis, como universidades, câmaras e assembleias”.
 
REPARAÇÃO
 
A audiência pública Novembro Negro atraiu a atenção de muitos parlamentares. A deputada Maria del Carmen (PT) disse que este é um momento de debates sobre as leis contra o racismo, uma oportunidade para que todos possam relembrar os movimentos que aconteceram ao longo da história. A parlamentar reafirma “a importância de se encarar esse processo com clareza e firmeza, defendendo ainda que o Governo Federal precisa reparar os erros do passado”. Já o deputado Jurailton Santos (Republicanos), vice-presidente da Comissão da Promoção da Igualdade, ressaltou que “sentiu na pele a discriminação racial em boa parte da vida”. Ele garantiu que deixou de olhar as críticas e seguiu adiante “com a força do amor”. Aos jovens estudantes do Colégio Estadual Mestre Moa do Katendê, que assistiam à reunião, Jurailton recomendou que buscassem sempre a valorização como pessoa, investindo na capacitação. 
 
Deputados que integram outros colegiados da Casa Legislativa também prestigiaram o evento. A deputada Neusa Cadore (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Segurança Pública, preferiu falar sobre a desigualdade social que prejudica a comunidade negra das periferias, do encarceramento da juventude negra e da mulher que é vítima do feminicídio e dos baixos salários. Cadore reiterou que todas as pessoas que bradam contra o racismo “são sementes que brotam na construção de um caminho com mais justiça para essa população escravizada por tantos séculos no Brasil”.
 
Fabíola Mansur (PSB), deputada que preside a Comissão de Educação e Cultura, também se pronunciou sobre a questão, assegurando que “aqui no Parlamento baiano tem vários deputados que levantam suas vozes o ano inteiro contra o racismo”. A socialista entende que é preciso combater o racismo para gerar mais educação, emprego e visibilidade dos direitos. Mansur deu total apoio à campanha do Governo do Estado, que recebeu algumas críticas pelo conteúdo forte. “A campanha não é agressiva, agressivo é o racismo que mata, nos choca ver a perda de vidas humanas nas periferias”. 
 
O ex-deputado estadual e ex-presidente do colegiado na legislatura anterior, Bira Corôa, não se esqueceu de reverenciar a memória de Zumbi e Dandara, além de ressaltar a Revolta dos Búzios, que há 220 anos foi um marco da resistência de homens que foram enforcados e esquartejados pelos senhores do poder colonial da época. Atualmente exercendo o cargo de superintendente Parlamentar da ALBA, Bira Corôa elogiou a Lei 13.182/2014, que criou o Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa do Estado da Bahia.
 
O desembargador do Tribunal de Justiça da Bahia, Lidivaldo Britto, fez uma longa explanação sobre o tratamento que foi dado à legislação a respeito do tema desde o início do século XIX. Ele mencionou o princípio da separação entre as raças, passou pelo “embranquecimento do país”, discorreu sobre a Convenção Internacional da Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial e finalizou com as Políticas Afirmativas, a Constituição Federal de 1988 e a Lei Caó. O defensor público Lucas Marques foi enfático. “A escravidão promoveu condições desumanas nas senzalas, as mulheres negras eram exploradas sexualmente, desrespeitavam a cultura e os costumes, impuseram uma evangelização forçada”. 
 
Ao som dos atabaques, com músicas que exaltavam a raça negra, as vozes contra o racismo ganharam força na composição “Histórias para ninar gente grande”, cantada ao final da audiência:
 
“Desde 1500 tem mais 
invasão do que descobrimento 
Tem sangue retinto pisado
Atrás do herói emoldurado
Mulheres, Tamoios, Mulatos
Eu quero um país que 
não está no retrato”. 
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Close
%d blogueiros gostam disto: