Produção industrial baiana chega a 0,6% no 2º trimestre, diz IBGE

A Bahia está entre os três estados que ganharam ritmo de produção no acumulado do segundo trimestre, tendo uma variação positiva de 4%, passando de -3,4% nos três meses anteriores para 0,6%, enquanto o país apresentou queda de 1,0%. O dado, presente em pesquisa divulgada pelo IBGE, nesta quarta-feira (7), demonstra os esforços do Governo do Estado em fomentar a atração de investimentos, segundo a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE).
 
Os setores que puxaram o aquecimento econômico neste período foram Metalurgia (16,7%), Bebidas (12,7%), Minerais não metálicos (7,4%), Borracha e Plástico (2,1%), Refino de petróleo e biocombustíveis (0,6%) e Alimentos (0,3%). “Esse resultado mostra o empenho do governo baiano em atrair novos investimentos e incentivar a ampliação daqueles que já estão operando. Para se ter uma ideia, até dezembro de 2021, a Bahia deverá ter a instalação de 224 novos empreendimentos, com aporte financeiro de R$ 13,5 bilhões e a previsão de gerar 20,6 mil empregos diretos”, destaca o chefe de Gabinete da SDE, Luiz Gugé.
 
Apesar do contexto de contínua queda na produção industrial nacional, de acordo com a secretaria, a perspectiva de recuperação é demonstrada ainda nos números positivos do primeiro semestre deste ano. Os 31 empreendimentos implantados foram responsáveis pelo investimento de R$ 2,5 bilhões e a geração de 5,4 mil empregos diretos. Destes, 80% estão nas cidades do interior do estado.
 
Nos seis primeiros meses do ano também foram assinados 54 protocolos de intenções, com previsão de R$ 3,6 bilhões em investimentos e possibilidade de gerar 4,8 mil empregos diretos. Os dados são resultado de acompanhamento da SDE junto às empresas incentivadas pelo Estado.
 
O governo baiano também mantém o desempenho fiscal positivo dos últimos anos e as finanças em equilíbrio, com uma das dívidas mais baixas entre os estados. A Bahia ocupa o segundo lugar em investimentos públicos do país. De janeiro a abril, investiu R$ 555,8 milhões, ficando atrás apenas de São Paulo, cujos investimentos somaram R$ 904,6 milhões.
 
Este panorama, de acordo com Gugé, tem viabilizado a infraestrutura necessária aos projetos estruturantes em implantação como a Ferrovia Oeste-Leste (Fiol), o Porto Sul, a Ponte Salvador-Ilha de Itaparica e a Ferrovia Norte e Sul. “Já os investimentos privados, atraídos e incentivados pelo governo, têm aquecido a geração de emprego e renda na Bahia”, disse.
Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Close
%d blogueiros gostam disto: