Religião

Orientações pastorais da Arquidiocese de São Salvador da Bahia durante pandemia

Depois de um período longo de impossibilidade de celebrações com a presença dos fiéis nas igrejas, estamos para iniciar uma nova etapa, com a retomada das celebrações presenciais, seguindo os “Protocolos e Critérios de Reabertura” do Governo do Estado da Bahia e da Prefeitura Municipal de Salvador, publicados em 07 de julho de 2020. Os “Protocolos e Critérios de Reabertura” colocam condições para as fases de retomada, dentre as quais, “o principal indicador é a taxa de ocupação de leitos de UTI exclusivos Covid-19”, de 75% na Fase 1, que infelizmente ainda não foi alcançada até este momento, em Salvador. Cabe às autoridades competentes, definirem e comunicarem as Fases, de acordo com a evolução da pandemia. As paróquias e organizações religiosas devem se preparar, providenciando o necessário para cumprir as exigências definidas pelos “Protocolos” geral e setorial. 

Quando alcançadas as condições para a Fase 1 da retomada das atividades, passarão a vigorar na Arquidiocese de São Salvador da Bahia, as seguintes medidas a serem adotadas, salvo alguma disposição contrária de município que integra a Arquidiocese: 

1) As missas são permitidas de segunda a sábado, das 10h às 20h, e aos domingos, sem restrição de horário, conforme estabelecido no Protocolo. 

2) As celebrações não podem ultrapassar o máximo de 50 pessoas, observando-se a distância mínima de 1,5 m entre elas, ou 20% da capacidade do local, o que for maior. É necessário organizar os bancos ou cadeiras para acomodação dos fiéis, de modo a observar o espaçamento exigido. A fixação de marcadores de distanciamento poderá ajudar a observar esta exigência. 

3) São obrigatórios: o uso de máscaras, o fornecimento de álcool em gel 70o e a rigorosa higienização do local. 

4) Na medida do possível, seja oferecido um número maior de celebrações, observando-se o intervalo necessário entre as missas para não causar aglomerações internas e nas proximidades dos estabelecimentos religiosos. 

5) “fechados espaços para crianças” (cf. Protocolo para “Templos religiosos e igrejas”). 

6) Pessoas com sintomas que possam indicar Covid-19 não devem participar das celebrações. As pessoas que pertencem aos grupos de risco devem tomar especiais cuidados; sejam orientadas a acompanhar as celebrações através dos meios de comunicação, conforme estabelecido nesta Arquidiocese desde o início da pandemia. 

7) “Proibidas escolas, aulas e reuniões” (cf. Protocolo para “Templos religiosos e igrejas”). Continuam suspensos, na forma presencial, os encontros de catequese, cursos de formação, assembleias, retiros, encontros pastorais e festas comunitárias, para evitar aglomeração de pessoas, recomendando-se a adoção de meios virtuais. 

8) As igrejas podem estar abertas durante o dia para visitas de oração ou adoração ao Santíssimo Sacramento, desde que observados os requisitos determinados pelos Protocolos; portanto, sem jamais permitir aglomeração de pessoas. 

Considerando, de modo particular, as normas e orientações litúrgicas propostas pela Santa Sé ou pela CNBB, sejam observadas as seguintes medidas: 

1) Omitir o abraço da paz, não dar as mãos na oração do Pai Nosso e ao comungar, receber a hóstia na mão. 

2) A distribuição da comunhão deve ser feita com o uso de máscara facial e a prévia higienização das mãos. 

3) Na procissão para a comunhão eucarística, os fiéis devem respeitar o distanciamento recomendado. 

4) Os microfones devem ser devidamente higienizados, evitando-se o seu uso comum.

5) Não devem ser distribuídos folhetos litúrgicos de uso comum. 

6) “Durante a Apresentação das Oferendas, o recolhimento das ofertas ou do dízimo não será feito, mas será realizado à saída da igreja pela equipe responsável, seguindo indispensáveis critérios de segurança” (cf. “Orientações”, da CNBB, n. 19). 

7) Os sacerdotes e diáconos procurem estar disponíveis para o atendimento pessoal dos fiéis, com os devidos cuidados para preservar a própria saúde e daqueles que buscam a ajuda da Igreja, como o distanciamento, a higienização das mãos e o uso de máscara facial. Quem estiver com a saúde debilitada ou com quadro gripal deve evitar o contato com as pessoas, especialmente com os grupos de risco. 

8) Considerando as limitações à participação dos fiéis nas igrejas, especialmente das pessoas consideradas de grupo de risco para a Covid-19, recomendamos a continuidade da transmissão das missas através dos meios de comunicação social. 

9) Na celebração dos sacramentos, é importante considerar as “Orientações litúrgico-pastorais para o retorno às atividades presenciais”, propostas pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. 

10) Promover a solidariedade e a partilha para com os pobres e as pessoas em maior situação de vulnerabilidade social, através de iniciativas comunitárias, sem causar aglomeração de pessoas. 

Havendo necessidade, outras medidas pastorais poderão ser adotadas e esclarecimentos poderão ser comunicados, considerando, especialmente, as deliberações das autoridades competentes, em vista da superação da pandemia e da preservação da saúde da população, bem como as Normas e Orientações da Igreja. 

Continuemos a rezar pela superação desta pandemia e, de modo especial, pelas vítimas e por aqueles que estão a serviço dos doentes. Peço as bênçãos do Senhor do Bonfim para todos, pela intercessão de Nossa Senhora da Conceição da Praia, de S. Francisco Xavier e de Santa Dulce dos Pobres. 

Mostrar Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Close
%d blogueiros gostam disto: